sabedoria

No dia-a-dia o ser humano é bombardeado por informações. Conhecimento é o conjunto de informações captadas pelo indivíduo, por terem sido consideradas por ele potencialmente úteis (conhecimento registrado), bem como as geradas/confirmadas por ele em função de suas experiências (conhecimento consolidado).  Cultura é a parte do conhecimento relacionada às instituições, aos costumes, às crenças e aos valores. Moral é a parte da cultura relacionada às obrigações e responsabilidades do homem para consigo e para com a sociedade. Sabedoria é a parte da moral relacionada ao sentido da vida, à razão de ser, às questões existenciais e à busca da felicidade (Verdades).

Ao agir de acordo com a moral vigente o indivíduo cumpre um dever, e quanto maiores as diferenças entre a própria moral (ser responsável) e a vigente (ter obrigação) maior será o cansaço e o sofrimento advindos deste comportamento. Uma moral vigente incompatível com a do indivíduo induz à formação de personagem.

Cada homem é conseqüência de suas verdades, e quanto mais próximas elas forem da VERDADE absoluta maior a probabilidade de que ele seja feliz. Ele pensa e age em função delas e, portanto, deve buscar aprimorá-las sempre. Havendo múltiplas possibilidades, deve escolher sempre a que lhe for mais conveniente. Agindo assim ele estará substituindo o condicionamento social a que foi submetido pelo autocondicionamento, estará guiando a própria vida.

A sabedoria é fruto da experiência. Ao fugirmos da experiência, fugimos da evolução. A sabedoria não pode ser ensinada, pois quem tem o conhecimento, mas não o aplica, não o experimenta e não o questiona, se equipara ao que não tem o conhecimento. Conhecimentos mais experiência formam o ser humano, ao passo que leis e castigo tendem a formar apenas o personagem.

O sábio vive a Verdade, enquanto o erudito apenas a conhece. O sábio não expõe conhecimento, mas apenas mostra quem ele é, pois a Verdade é parte dele. O erudito Tem, enquanto o sábio É. Portanto, só é sábio quem é feliz, e vice-versa.

É só mediante a sabedoria que o ser humano pode alterar positivamente a sua essência e, portanto, é conseqüência dela a verdadeira evolução, a evolução continuada.