decisão habitual


A REALIDADE é como um rio; ela flui continuamente e não há um momento igual a outro. E tal como o rio, ora ela flui lentamente, ora em uma corredeira; ora calmamente, ora violentamente; ora sem obstáculos, ora com pedras e cachoeiras; ora previsível, ora surpreendente. Para sobreviver e se desenvolver em situações tão distintas, o ser humano desenvolve hábitos, formas de vivenciar a REALIDADE que, por serem padronizadas e dar um senso de identidade, facilitam/simplificam/agilizam o processo decisório.

ETAPAS DO PROCESSO DECISÓRIO HABITUAL
Estímulo
Comum
Homem Material Emoção e Pensamento Habituais Reação Habitual Consciência Ação
Instinto
Outras Propensões Pensamento e Sentimento
Intuição
Homem Espiritual

Características do processo decisório habitual:

  • Na fase não-consciente ocorre a reação habitual ao estímulo e o pensamento fica subentendido, ou seja, o pensamento que embasa a reação não fica expresso/explícito, embora muitas vezes possa ser recuperado.

  • Na fase consciente, o pensamento e o sentimento são/ficam evidenciados, e a pessoa pode decidir se a ação dará continuidade à reação habitual ou se a modificará no momento e no futuro.

  • A decisão que mantém ou corrobora a reação habitual fortalece o hábito e a decisão que a contraria/refuta o enfraquece.

Na maioria das vezes o processo decisório se encerra na reação habitual ou a corrobora, ou seja, o ser humano tende a manter/fortalecer seus hábitos. Isto ocorre devido a:

  1. Necessidade - para tomar muitas decisões na unidade de tempo e deixar a mente livre para as mais importantes, é preciso desenvolver hábitos. Adicionalmente, muitas vezes a velocidade dos fatos e/ou o estilo de vida não propicia o tempo necessário para a tomada de decisões conscientes e a pessoa fica refém de seus hábitos.

  2. Comodidade - as pessoas normalmente valorizam mais o benefício imediato e tendem a fugir do que requer esforço. Quando a ação pode apenas mudar o futuro distante, ela tende a ser preterida em benefício das que podem mudar o momento ou o futuro mais próximo. Além disso, para mudar é preciso empenho/dedicação, pois requer buscar o conhecimento de si e da REALIDADE, da qual somos parte.

  3. Ignorância - a pessoa acredita que ela é assim, e culpa os outros ou o destino pelo que lhe acontece de ruim.

Como regra, as pessoas existem ou vivenciam a REALIDADE de acordo com seus hábitos, ou seja, elas apenas reagem de forma padronizada a estímulos internos e externos. Mudar a própria realidade requer mudança de hábitos; e para isso o ser humano foi dotado de consciência, razão e livre-arbítrio para decidir se quer manter ou modificar seus hábitos; e para nortear as suas escolhas ele tem o desejo de ser feliz. Sentimentos e pensamentos corretos induzem à formação de hábitos adequados, condição indispensável  para se ter uma vida feliz.

osentidodavida pode ser AZUL